Blog do Cobredireto

Os 10 passos para a criação de uma loja virtual (Parte 1)




A possibilidade da independência financeira promovida pelo crescimento do comércio eletrônico brasileiro tem promovido a entrada de muitos empreendedores iniciantes no mercado, e também, por consequência, a frustração de muitos com a ausência dos resultados projetados.

O CobreDireto, especializado em prover soluções em pagamentos online e interligação com as principais bandeiras e bancos, preparou uma pequena cartilha com um dos tantos passo-a-passo possíveis para um entrada menos frustrante. Separamos este artigo em duas partes, sendo esta primeira específica para a formalização e estruturação inicial do seu negócio. A segunda parte – o nosso próximo artigo – trará uma visão sobre fundamentos de publicidade, organização e uma atenção especial para os pagamentos em seu e-commerce. Confira:

1- Entenda do seu mercado

Muito provavelmente você queira investir em um determinado mercado ou na venda de um determinado nicho de produtos por já ter trabalhado em alguma empresa que também atuava neste mesmo mercado, ou então por ter descoberto uma oportunidade de lucro neste meio. Independente da situação, a nossa recomendação é que você faça uma pesquisa de mercado, participe como visitante de alguns eventos deste nicho, converse com empresários e tire a maior quantidade de informações possíveis.

Se você já trabalhou em empresas que serão suas futuras concorrentes, você terá uma facilidade maior para perceber dificuldades e demandas, propondo soluções e vias de lucro mais eficazes. De qualquer modo, faça uma listagem com todas as informações que você obtiver e estude o mercado, os clientes, os fornecedores e os produtos.

2- Com as informações em mãos, faça o planejamento

Agora que você já reuniu dados importantes sobre o mercado que você pretende atuar, faça uma projeção do seu negócio. Contabilize todos os gastos, destes os mais amplos, como a abertura da empresa, locação de um espaço físico – quando couber – e manutenção administrativa, até gastos menos observados nestes momentos, como taxas bancárias para manutenção de contas: contas telefônicas e de celular; valor da banda larga; custo para compra do domínio – endereço virtual de sua loja – manutenção do provedor de hospedagem, etc. Não se esqueça de inserir no planejamento do curto prazo o valor de investimento inicial para a compra de estoque e investimento em publicidade.

3- Tente não usar o “estoque flutuante”Este tipo de situação ocorre quando você não tem um estoque físico de seus produtos, mas acaba por confiar em seus fornecedores para a entrega dos produtos. Nesta situação, ao invés de lidar com a situação especificamente como um (a) comerciante, você será apenas um intermediador do negócio. A mercadoria será entregue pelo seu fornecedor, com a sua logomarca, o seu nome e a sua nota fiscal.

Nós não recomendamos este tipo de medida, pois em situações de muitos pedidos por parte de seu fornecedor, são comuns os casos em que eles acabam honrando pedidos feitos em atacado e deixa com uma prioridade menor os seus pedidos de varejo. Por isso, inclua em seu orçamento a aquisição de um pequeno estoque, por menor que seja, para começar a dar liquidez ao seu negócio.

4- Formalize o seu negócio

Como você será obrigado (a) a emitir notas fiscais eletrônicas e seus produtos vendidos e enviar um documento específico em conjunto com as mercadorias, chamado de DANFE (Documento Auxiliar à Nota Fiscal Eletrônica), a nossa recomendação é que você abra uma empresa e a formalize em todos os órgãos necessários. Muitos produtos que são comercializados estão passíveis ao recolhimento da alíquota de ICMS do seu Estado, por isso tenha uma atenção especial.

O custo para abertura de uma nova empresa pode variar em cada região, mas geralmente fica em torno de R$ 500,00 e R$ 800,00. Além disso, uma nova Lei aprovada no Governo Lula sancionou a criação dos denominados MEIs, ou seja, Microempreendedores Individuais. Neste caso você pode contar com o apoio gratuito de um contador na criação da sua empresa e recolhe um valor fixo mensal, que não ultrapassa os R$ 60,00, que inclusive é revertido para o seu INSS. Há, porém, um limite de faturamento de R$ 3.000,00 mensais, mas pode ser um meio de início para muitos. Confira maiores informações em: http://www.portaldoempreendedor.gov.br.

5- Procure parceiros de negócios importantes

Fornecedores de mercadorias: Tenha sempre uma lista de possíveis fornecedores e faça contato com muitos deles. Informe sobre o seu projeto, o seu planejamento de crescimento e faça um acordo de cooperação, para que seus pedidos sejam tratados com agilidade. Geralmente os negócios feitos pela internet são vistos com receio pelas pequenas indústrias, mas nada que um pouco de informação não possa mudar.

Fornecedores de serviços: Escolha bem a empresa que lhe auxiliará na criação da sua loja virtual, de seu sistema e complementos tecnológicos. A aparência e usabilidade da sua loja virtual são uns dos pontos mais importantes de toda a etapa. Por não possuir um vendedor físico que acompanha o cliente pela loja, a presença virtual necessita passar credibilidade ao consumidor. Uma via de obtê-lo é passando o máximo de informações possíveis sobre os produtos e a sua empresa, bem como demonstrar fotos de alta qualidade que permitam que o cliente veja detalhes sobre a mercadoria.

Existem milhares de empresas especializadas na criação de lojas virtuais no mercado. Elas são chamadas de Agências Digitais. O UOL, para facilitar o início de muitos negócios na internet tem um produto específico para este tipo de necessidade: É a loja virtual do UOLHOST. Através dela é possível, com um pequeno investimento mensal, oferecer diversos tipos de produtos para os seus clientes.

Com relação à personalização, o próprio UOLHOST tem uma lista de Agências Digitais parceiras que são especializadas na customização da sua plataforma para o melhor aproveitamento dos resultados. Para isso, acesse a lista de parceiros do UOLHOST.

Dúvidas? Deixe o seu comentário

Você ficou com alguma dúvida sobre este nosso primeiro artigo? Se sim, deixe um comentário que responderemos logo em seguida! E não deixe de conferir o nosso próximo artigo, que falará sobre marketing, meios de pagamento e atendimento ao seu consumidor. Até lá.

Tags:, , , , , ,